51 3284-1800

SindisprevRS OF

CARTA ABERTA À POPULAÇÃO

COMPARTILHE:

ELES QUEREM QUE OS TRABALHADORES PERCAM TUDO!!

Chega!! É hora de lutar e construir uma alternativa para quem vive de salário!!

O país se dividiu a favor e contra o impeachment. É uma luta em vão para quem trabalha. Os ricos e poderosos, que controlam o governo e a oposição, estão disputando quem vão tirar proveito das medidas que já acordaram para empurrar a crise que produziram para as costas de quem ganha a vida com o suor do próprio rosto.

Todos eles têm acordo em fazer:

1 – Reforma da previdência: alongar a idade de aposentadoria de homens e mulheres para 65 anos; desvincular as aposentadorias e pensões das correções do salário mínimo;

2 – Reforma trabalhista: aumentar a precarização do trabalho com ampliação da contratação de terceirizados e flexibilização da CLT fazendo que o “acordado" entre patrões e empregados valha mais do que o legislado, extensão do pagamento da contribuição patronal de 10% do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço no caso de demissão sem justa causa, etc.;

3 – Transformar a Desvinculação das Receitas da União-DRU em regra constitucional; retirar da constituição a obrigatoriedade dos gastos com saúde e educação; reforma tributária com o objetivo de desonerar o capital;

4 – Reforma do Estado dando seguimento ao projeto iniciado no governo FHC, que renegocia a dívida pública dos Estados exigindo como contrapartida redução de investimentos nos serviços públicos e congela gastos públicos da União em proporção do PIB e permite congelamento de salários, suspensão de contratos e demissões no serviço público federal, estadual e municipal;

São ataques que anulam as conquistas sociais obtidas na Constituição de 1988. O governo Dilma está comprometido com isso e tem o firme propósito de tomar essas medidas no Congresso. Para isso, tem o apoio de deputados e senadores liderados pelo vice-presidente Michel Temer, Eduardo Cunha, Renan Calheiros, Jair Bolsonaro, Marina Silva e tantos outros.

Não podemos aceitar!!! Precisamos todos, trabalhadores, jovens, aposentados pensionistas lutar juntos contra tudo isso!!

Estão em jogo nossos direitos econômicos, sociais e políticos. Temos que resistir, derrotar essas propostas e construir uma alternativa que governe o país a partir das necessidades dos que trabalham e vivem do salários, uma alternativa que crie oportunidades para a juventude e os mais pobres. É por isso que hoje os trabalhadores do INSS e do MTPS protestam. É por isso que hoje os trabalhadores da saúde protestam.

Collor e FHC estão de volta: Dilma e os parlamentares querem liquidar com a saúde, a educação, a previdência e todo serviço público!

O governo encaminhou ao Congresso o PL 257 que a título de renegociar a dívida dos governos estaduais, como a do Rio Grande do Sul, estabelece uma série de medidas, que precarizam  ainda mais os já sucateados serviços públicos.

A saúde está ruim? A solução é cortar o orçamento da saúde. A educação não ensina nada? A solução é reduzir os investimentos. A previdência atende quem não pode mais trabalhar? A solução é fazer as pessoas trabalharem mais e diminuir o valor das aposentadorias e pensões.

Essa é a lógica com que atuam os que têm o poder para resolver os problemas do país, do país deles, não a do país de quem vive do suor do próprio rosto. Quando na  elaboração da Lei Orçamentária Anual houver previsão de que o teto do gasto público será descumprido, serão acionadas automaticamente medidas de redução das despesas, que estarão divididas em três fases atingindo as esferas federal, estadual e municipal, e propõem um programa de demissão voluntária, redução de benefícios, entre outros.

1ª fase: restringe a ampliação do quadro de pessoal, do reajuste real de salários do funcionalismo, além de cortes de gastos discricionários, administrativos e com cargos de confiança.  

2ª fase: proibição de aumentos nominais de salários de servidores e concessão de novos subsídios e desonerações; também seriam adotados mais cortes de gastos discricionários, administrativos e dos cargos comissionados.

3ª fase: Suspende-se reajustes reais do salário mínimo, benefícios de servidores são cortados em até 30% e implantado programa de desligamento voluntário ou licença temporária no funcionalismo federal.

Em defesa do serviço público, em defesa dos salários, dos empregos estamos protestando e pedindo que você reflita. Precisamos lutar juntos, resistir e construir uma alternativa dos que trabalham e vivem de salário. Uma alternativa para o país que dê perspectivas para a juventude e os mais pobres.

CONTRA OS ATAQUES AOS DIREITOS ECONÔMICOS, POLÍTICOS E SOCIAIS DOS TRABALHADORES, DOS POBRES E DA JUVENTUDE!!

Lutar, resistir e preparar a greve geral contra: o desemprego, a inflação, o fim da CLT, a reforma da previdência e o PL 257/16!!

Construir uma alternativa dos que trabalham e vivem dos salários!

A força da nossa união será a nossa vitória!!

Abaixo, arquivo para impressão.

Imagens

Anexos

carta2016a.pdf

follow:

CONTEÚDOS