51 3284-1800

SindisprevRS OF

Sobre as ações criminosas na saúde pública de Canoas

COMPARTILHE:

O caos na saúde pública da cidade de Canoas – RS e os atos criminosos cometidos pelo Grupo de Apoio à Medicina Preventiva e à Saúde Pública (Gamp) que foram apurados pelo Ministério Público e revelados na última quinta-feira (06), evidenciam o desastre das terceirizações nos serviços públicos, em especial os serviços de saúde. Enquanto trabalhadores sofriam com os atrasos de salários e a população afetada pela precariedade dos serviços e falta de medicamentos, o Gamp – empresa terceirizada que administra os Hospitais Universitários, o Pronto Socorro de Canoas, unidades de pronto atendimento e de atendimento psicossocial – desviou cerca de 40 milhões de reais de verbas públicas, através de contratações de fachada e superfaturamentos de medicamentos.

A empresa terceirizada foi contratada pela prefeitura de Canos no ano de 2016, por um valor de 1 bilhão de reais, para prestar serviço durante cinco anos. E em dois anos, recebeu 426 milhões de reais em repasses da prefeitura. Valores que não foram investidos na saúde do município e nem no pagamento do salário dos servidores. A quantia bilionária foi utilizada de forma criminosa para benefício da empresa e de seus gestores, que usaram esse dinheiro para comprar carros de luxo, avião, pagamento de férias e até compra de bebidas.

É inadmissível que a população e os servidores da saúde de Canos sejam vítimas desse crime de corrupção e desvio de verbas públicas. Saúde é um direito garantido na Constituição brasileira que já vem sendo atacado há muito tempo, com sucateamento e precarização dos locais e condições de trabalho, desvalorização salarial e, principalmente, com as privatizações e terceirizações de serviços. Situação agravada após a aprovação da Emenda Constitucional 55, em 2016, que congelou por 20 anos os investimentos em serviços públicos.

Que todos os crimes cometidos na saúde pública de Canoas sejam apurados e os responsáveis punidos. Saúde pública não é mercadoria e não podemos aceitar que grupos se beneficiem e enriqueçam às custas do sofrimento daqueles que mais precisam.

follow:

CONTEÚDOS